Pular para o conteúdo

Curiosidade mórbida, crônica e doente

De vez em quando eu entro em alguns sites de notícias pra ver algumas das manchetes por puro tédio. O Twitter é suficiente pra manter todo mundo informado – às vezes até demais -, mas ir buscar na fonte de vez em quando não faz mal. Exceto quando faz. A palhaçada de hoje foi a “investigação” sobre a idade da Glória Maria.

A jornalista comemora publicamente seu aniversário todo ano, mas há décadas sabemos que ela não revela sua idade. Compreensível: é absolutamente irrelevante saber quantos anos ela tem; a qualidade das reportagens dela não muda por causa do ano de nascimento dela. Mesmo assim, tá lá, na página principal de um dos portais de notícias mais famosos do país (eu não vou divulgar o link por razões óbvias), uma reportagem chamando o leitor a saber qual é a idade dela.

FODA-SE A IDADE DA GLÓRIA MARIA, PORRA!

Eu até entendo essa curiosidade mórbida em saber detalhes das coisas mais irrelevantes ou desimportantes que passam pela internet, mas não consigo deixar de pensar que isso é quase uma doença. Pra que se precisa esmiuçar a vida de alguém pelo puro prazer de saber algo que a pessoa não quer que seja de conhecimento público?

Dois casos me vêm à cabeça: um post que eu fiz no meu finado blog Litteraria quando a Sandy Leah casou e o estardalhaço que acompanhou o estado de coma e a morte da cantora Clara Nunes. No primeiro caso, os fãs da cantora queriam porque queriam invadir o casamento, e por menos que eu goste da Sandy, ela sempre foi uma pessoa discreta, e o que aconteceu naquela ocasião foi uma palhaçada. No segundo caso, Clara Nunes internou-se para fazer uma cirurgia de varizes e sofreu um choque anafilático causado por um dos componentes do anestésico, o que causou um edema cerebral que culminou em sua morte imediata. Porém, a cantora ainda ficou internada na UTI por quase um mês, e nesse meio tempo todo tipo de boato correu na imprensa, de aborto a overdose. Tudo porque ninguém queria dizer o que estava acontecendo A PEDIDO DA PRÓPRIA CLARA NUNES, que solicitou discrição à equipe médica quando foi fazer a cirurgia.

Daí eu fico me perguntando: por que as pessoas não vão cuidar da própria vida em vez de ficarem se imiscuindo na vida dos outros, caçando data de nascimento, causa de internação, convite pra casamento ou qualquer outra maluquice dessa? Isso só demonstra que essa curiosidade beira à insanidade, uma doença crônica que reduz uma pessoa qualquer a meros dados que possam ser arrancados dela pra satisfazer um público que não tem mais o que fazer.

%d blogueiros gostam disto: